sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Coxinha de dinossauro?

As aves povoam desde sempre o imaginário humano, com representações que datam da pré-história, como pinturas rupestres (Esta é de Serranópolis, Goiás). Deuses egípcios importantes como Hórus, Rá e Tot eram representados por aves. Para não falar na infinidade de mitos e lendas sobre aves, como Fênix, até mais recentes como a cegonha, dos bebês. Engraçado como não vemos pinturas de tiranossauros ou velocirraptores, nem ouvimos lendas sobre brontossauros-da-cara-preta ou triceratops-sem-cabeça...? Talvez não.
Ao contrário do que inúmeras vezes se vê em filmes, desenhos e histórias em quadrinhos, homens e grandes dinossauros jamais co-habitaram, por viverem em períodos distintos; eu disse GRANDES dinossauros. Isso mesmo: neste exato momento, fora da sua janela, uma infinidade de dinossauros ronda por aí, caçando suas presas, defendendo e alimentando seus filhotes, entre outros afazeres dinossaurescos.

Quando descrevemos uma ave, imediatamente falamos sobre as cores e formas de suas penas; uns alunos mais interessados podem apontar ossos pneumáticos (ocos), e talvez um homem do campo se lembre dos ninhos complexos e do ato de chocar os ovos, como características diagnósticas das aves.

O problema começa quando olhamos para trás, para o registro fóssil.

Dromeossauros, dinossauros provavelmente predadores e corredores, descobertos no final do século passado, revelavam estruturas seriadas ao longo de seus braços, com forma de penas. Não precisam acreditar em mim: olhe-os vocês mesmos!



Tá, não eram lá penas complexas como as das primeiras aves, bem representadas pelo Archaeopteryx (significa asa antiga ou arcaica, em grego), e sim pequenas e simples. Mas se os dromeossauros não voavam, pra que então serviriam as tais penas? Durante algum tempo especulou-se que pudessem ser utilizadas em rituais de corte, para conquistar parceiros (como algumas pessoas fazem com as roupas, hoje em dia). Em um segundo momento, o conhecimento acumulado ao longo deste tempo permitiu a proposição de uma elegante hipótese, baseada em algumas premissas:
.Dinossauros eram animais de sangue frio (a temperatura corporal era influenciada pela temperatura do ambiente).
.A linhagem Theropoda (Theros: Animal terrível, monstruoso; podos: pés) que comporta figurões como Tyranosaurus rex e Velociraptor, era composta principalmente de animais caçadores-corredores, dependentes de um metabolismo elevado para conseguirem seu alimento.
.Penas simples podem não servir para o vôo, mas dão ótimos cobertores para o frio!
Os pesquisadores imaginaram que os dinossauros caçadores-corredores com a temperatura corpórea mais estável ao longo da mudança natural de temperatura puderam manter suas atividades metabólicas mesmo nos períodos de frio mais severo, talvez possibilitando até mesmo viver em lugares antes impossíveis para esses animais, devido às baixas temperaturas.
Talvez um de vocês alegaria: e o cuidado parental? Nunca saberemos como os dinos cuidavam de seus filhotes? Bom talvez não TODOS os dinos. Mas havia um terópode, que foi encontrado sobre ovos, na Mongólia, em 1923. Inicialmente, interpretou-se que este animal havia morrido enquanto tentava roubar ovos de um Ceratops, o que o garantiu o nome de Oviraptor philloceratops, que significa “o ladrão de ovos de Ceratops”. Posteriormente, na década de noventa, viu-se que aqueles ovos eram de terópodes, e que possivelmente aquele animal teria morrido enquanto repousava sobre seus ovos! Outros ovos de terópodes foram encontrados dispostos em maneira ordenada, indicando fortemente uma preocupação em organizar os filhotes. Mais do que isso: seus ovos estavam dispostos de maneira ordenada, indicando um cuidado organizacional encontrado não nos répteis, mas nas aves.
E o que os ossos têm a nos dizer? Cenas do próximo capítulo! Discutiremos como a anatomia comparada e a biologia do desenvolvimento (jargão científico para embriologia, crescimento e envelhecimento dos organismos) nos ajudaram a entender melhor a evolução das esplêndidas aves! (Na foto, um anu branco. Dinossauresco?)

10 comentários:

Patricia da Matta disse...

ahhahahahahahahaha
agora ta certo!
adorei behind!!!
ótimo texto e tema!!!
beijãão

Lucy disse...

legal que vc tem ilustrado bem os tópicos mencionados!

=*

Nivia Maria disse...

Vc ta ficando muito bom nisso. Acho que daqui a pouco terá que escrever um livro!rs.
Beijos! ^^

William disse...

Muito orgulho aqui!!! Muuuuito orgulho!!!! Estou extremamente contente!

Felipe disse...

Na próxima vez em que for no KFC vou pedir um balde de pterodáctilo!!

Mas agora uma dúvida, a palavra "dinossauro" não remete exclusivamente à animais terrestres?

Luiz Felipe disse...

Felipe, tocaste num assunto delicado. Vamos ver como discutiremos isto.
Dinossauro, quer dizer lagarto terrível em grego, e é um nome dado àqueles animais que compartilham inúmeras características em comum, como redução do número de dedos, pescoço em forma de S, entre outras, que veremos no próximo post. Se a anatomia os permite nadar, correr ou voar, os animais o farão.
Outra coisa interessante: apesar de constantemente presente em filmes de dinossauros, o pterodáctilo pertence a uma linhagem evolutiva diferente da dos dinossauros, possuindo várias características morfológicas(e possivelmente ecológicas) distintas. No entanto, pertencem ao grande grupo dos Archosauria (lagartos antigos), que engloba crocodilianos, pterodáctilos e dinossauros (incluindo aves); por isso, os parentes vivos mais próximos das aves são os jacarés e crocodilos.

André disse...

Muito legal cara...
bem escrito também, bom pro projeto "Super biólogo boladão"
hehehehe
abraços!

Paula disse...

Você é lindo, meu amigo! Faz-me explodir de orgulho! Lendo esse post me bateu uma saudade do Bio na Rua...

Beijos!

Tainá Saramago disse...

Esse menino é mesmo fantástico!
Quero que meus filhos aprendam biologia lendo seus livros!

Thiago disse...

bem legal!!
me deu fome ver aquele frango no início!