segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Sobre coxas e Sobrecoxas - Continuação -

Se eu pedisse a alguém num churrasco que me passasse uma coxa de frango, dificilmente alguém o faria certo. Muitas pessoas confundem as coxas com as canelas dos frangos. Isso se deve ao fato dos dinossauros adotarem uma postura digitígrada, ou seja, que caminha com os dedos, na ponta dos pés. Se repararem na foto, entenderão melhor: os ossos da “planta” do pé (metatarsos) estão fusionados e erguidos, parecendo uma estrutura única, mas os ossos dos dedos (falanges), não. Como os metatarsais não tocam o solo, muita gente acha que as aves (e outros dinosauros) possuem o joelho voltado para trás, o que claramente não é verdade. A postura digitígrada é recorrente na natureza, assim como a plantígrada(metatarsais tocam o solo, figura A), e permite que os animais sofram menos atrito com o solo, durante a locomoção. Isso possibilita animais pequenos correrem mais rápido, e animais grandes, com suas patas colunares, deslocarem seu peso com menos gasto energético.
A primeira vez que alguém olhou para aves como dinossauros foi na segunda metade do século XIX, quando um brilhante biólogo inglês chamado Thomas Huxley, concluiu que “aves nada mais são do que répteis glorificados”. Comparando as patas de aves e terópodes, ele observou que o número de falanges e posição estrutural dos dedos era basicamente a mesma: três dedos pra frente, e um pra trás. Mas as semelhanças anatômicas não param por aí.
Os primeiros dinossauros, no final do Triássico, eram digitígrados, já apresentavam o acetábulo (encaixe do fêmur na região da bacia) perfurado, além da redução dos dedos (imagem da pata de um tiranossauro), características visíveis nas aves ainda hoje (reparem na foto da fúrcula, mais abaixo). É interessante notar que pterossauros não possuem acetábulo perfurado (a concavidade da foto marcada por "ac" é o acetábulo), eram plantígrados e sua estrutura de asa é enormemente diferente da das aves, como mostra a figura; Isso nos mostra que Pterosauros não são dinossauros, e representam uma linhagem evolutiva distinta, apesar de serem arcossauros, como os dinossauros e crocodilos o são.
O osso da sorte, ou fúrcula (osso bifurcado em frente ao esterno no peito das aves), estava presente também em outros terópodes. Este osso é relativamente flexível, e ao se deformar para acomodar o batimento das asas, permite um vôo mais eficaz. Outra característica que possibilita o vôo é o esqueleto pneumatizado (oco). Isso reduz grandemente o peso do animal, e aves atuais possuem maior peso em penas do que em ossos, por incrível que pareça! No entanto, como para várias outras características, a fúrcula e o esqueleto pneumatizado não são exclusivos das aves: os terópodes em geral já apresentavam estas características. Animais predadores-corredores se beneficiariam de um esqueleto oco por permitir a redução do peso do corpo, permitindo um deslocamento mais rápido.
As aves atuais não possuem dentes verdadeiros (algumas aves possuem uma serrilha no bico). No entanto, olhando para o bico do Archaeopteryx, provavelmente uma das primeiras aves, é possível ver dentes. Um experimento com embriões de galinha demonstrou que apenas algumas modificações na expressão de um gene inativaram a formação dos dentes nas aves. Estes pesquisadores, ao induzirem a expressão da molécula que havia sido inativada, conseguiram gerar galinhas com dentes!
Um experimento do século passado, desenvolvido por Hampé, gerou embriões de galinha com anatomia das patas muito semelhante àquela dos répteis. Uma análise mais detalhada nos mostra que as patas das aves diferem das de outros répteis por possuírem ossículos do tornozelo fusionados, e uma fíbula reduzida. Quando experimentalmente, se induz um crescimento maior da fíbula, nota-se a formação daqueles ossículos do tornozelo que haviam sido perdidos ao longo da evolução. Isso nos mostra que muitas vezes, o potencial genético necessário para formar certas estruturas não foi perdido, faltando apenas um estímulo para que a formação ocorra.
Espero que depois de digerir tanta anatomia, a gente consiga escolher certo entre a coxa e a canela num churrasco de dinossauro. E da próxima vez que formos ao açougue, jamais permita que vendam canela como coxa, nem coxa como "sobrecoxa"! =]

8 comentários:

Paula disse...

=]

Adriano disse...

Esse moleque vale ouro. Desde que entrou na biologia era o mais ávido por conhecimento... o legal (e impressionante) é que o entusiasmo ainda não acabou. Muito boa a idéia do blog e melhor ainda o próprio blog. Nas próximas eu tento fazer comentários biológicos. Abração.

Bill Boy disse...

Ei querido!!! Um amigo exemplar você hein?! gosto muito de suas postagens... Alias, precisamos comer aquela canela de galinha juntos na biorio, não acha? Me visite lá no lab! abraços leke

Lucas disse...

Blog excelente, rapaz!
Passada a puxação de saco, podia ter fazer uma comparação pra nós, não-biólogos, de como são as nossas pernas (não dos não-biólogos: dos não-dinossauros/pássaros). Essa parte de a coxa deles ser a nossa canela até q eu entendi, mas não sei direito os motivos para os outros grupos de animais não terem sofrido essa mudança.

Abração, rapaz!

Luiz Felipe disse...

Lucas, outros grupos desenvolveram postura digitígrada ao longo da evolução, especialmente mamíferos. O porquê de não ter surgido em vários grupos provavelmente se deve ao acaso. Mas a manutenção da postura digitígrada nesses grupos em que ela surgiu provavelmente tem a ver com seus hábitos: corredores, como leopardos, onças e terópodes (grupo a que pertencem os velociraptores, tiranossaurosas e as aves), sofrem menos atrito com o solo ao se locomoverem sob esta postura; isso permite uma maior velocidade. Mas você tem razão, quem sabe mais pra frente eu escreva um post comparando diferentes posturas dos animais. É que simplesmente não dá pra pôr tudo num post! Abraços a todos

priscila disse...

Eu acho que entendi o post... Seria tipo andar na ponta do pé né?
Só não consegui comparar isso com aquele frango da padaria...

Gabriel Riva disse...

Seu blog está nos favoritos do meu :D
finalmente, li os 2...
"Tá, não eram lá penas complexas como as das primeiras aves, bem representadas pelo Archaeopteryx (significa asa antiga ou arcaica, em grego), e sim pequenas e simples." - me lembrou a chaves aehuehaeu
Muito bom, mas achei o post anterior mais interessante ( li os 2 agora) :D
abração beholder...we need to talk, my man!

MFLeal disse...

haeuhauehauheu
genial cara...ta escrevendo mt bem...prende a atenção!
e seus títulos são ótimos tb! hehe
e é mt interessante como vc liga tds os assuntos! e o lucas tem razão, talvez algumas comparações seja interessante!
abs cara